Samhain e as bruxas ancestrais

Bem vind@ ao último dia de Outubro e aos primeiros dias de Novembro.


Que dia mágico.
Que dia autêntico.
Que dias com potencial transformador.
Nas raízes do ser.
Nas raízes que sustêm.
Nas raízes que se comem.
Em tradição nacional.
De vassoura em haste, a voar na sabedoria ancestral.
Nada mais há a fazer do que a entrega à noite e ao dia.
Numa Lua Cheia que ilumina o que tem de ser iluminado.
Olha bem.
O que tem de ser visto e sentido?
O que tem de ser visto para ser largado?
O que tem de ser visto para ser abraçado?
Sê a coragem e a humildade.
A força e a perseverança.
A alegria e a seriedade.
Sê adult@ e faz as tuas escolhas de forma consciente.
Encontra a verdade e vive o que é real.
Abro os braços aos ancestrais.
Meus e da terra.
Ancestrais em forma de pessoa e em forma de plantas e pedras.
Vejo tanta tanta gente!
Como se estivessem à espera.
Na luz e na escuridão.
Querem ser vistos e ouvidos.
Hoje é o dia.
Têm tanto a dizer. Cantam alto, como anjos, numa voz forte e assertiva.
Dizem que o caminho é para a frente e que o passado não vale mais.
Façam as malas para irem viver num mundo novo.
As malas que não têm objectos ou roupas, mas valores fortes e assertivos. Valores amorosos e irreconhecíveis para uns, mas tão naturais para tanta gente.
Vivam na Natureza de uma forma unida, amorosa.
Sejam a Natureza.
Ouçam.
Peçam-nos ajuda.
Estamos cá para isso.
Cuidem-se e amem-se.
Abram os braços e larguem rancores e medos.
A sério!
Respeitem e respeitem-se.
Agradeço com carinho e abraço cada um dos ancestrais presentes.
Como é possível tanta sabedoria ignorada?
Esta sabedoria não tem de ser complexa.
Para mim, basta estar na cozinha, na alegria da dança, na colheita e na labuta do campo.
Na esperança e na fé.
Na reza e nas cantorias.
Na simplicidade e na voz.
Num corpo de mulher que tem tanto para partilhar!
E tu, como se revela a sabedoria ancestral através do teu corpo?
Abraço-vos com muito amor, nesta noite de Lua Cheia
Raquel PW